11 de setembro de 2018

Resumo - Roteiro para os Grupos de Reflexão-Aprendendo da História e da Realidade - Mês de Abril -Iniciação à Vida Cristã - Processo Catecumenal -Segundo encontro

                                     UM CAMINHO A SER PERCORRIDO À LUZ DA FÉ


O Evangelho de Lucas 24, 35- 48 começa, quando os discípulos de Emaús voltam a Jerusalém à comunidade. Entram na sala, onde estão os apóstolos e contam o que o Senhor tinha feito com eles. Nesse  exato momento, aparece Jesus . Por que o Senhor aparece exatamente na hora da narração ? Por que não apareceu antes ou depois? Como o senhor se identificou ?Ele mostrou as mãos e os pés. Imediatamente pensamos nas chagas. Por que as mãos e por que os pés? Ele foi um grande andarilho. Caminhou para que as suas mãos tocassem os cegos e os fizessem ver;  tocassem a pele machucada de um leproso e o curasse. O senhor soprou e abriu-lhes a inteligência. Precisamos ter a inteligência aberta. A inteligência percebe a realidade, por ela lemos a escritura, podemos entender o projeto de Deus, como a história se constrói e, na história, percebemos seu agir.




A partir do segundo século, a Igreja aos poucos, estruturou um processo para iniciação de novos membros à Comunidade Eclesial,  como o cristão prontos a celebrar a fé e a assumir a missão. Tal processo de iniciação, mais tarde, foi denominado Catecumenato. Sua finalidade era possibilitar, por meio de um itinerário específico de iniciação,  a preparação, prioritariamente de pessoas adultas, que tinham manifestado o desejo de assumir a "fé da igreja". Elas aceitavam entrar e prosseguir, por um caminho bem articulado de aperfeiçoamento do propósito de conversão, celebrado na recepção dos  "sacramentos da iniciação cristã". Era um caminho que acolhia a salvação de Deus e se expressava na vida da Comunidade . Por isso, ao longo do itinerário  catecumenal, havia uma série de ensinamentos,  um conjunto de práticas litúrgicas e, de modo especial, uma séria demonstração de vida cristã, através da participação na vida da Comunidade .

O declínio do processo catecumenal aconteceu, no contexto do que se chamou de cristandade, quando a maioria das pessoas se tornou cristã. Gradativamente, a transmissão da fé cristã acontecia como herança recebida. As pessoas nasciam em ambiente cristão, e iam adotando os comportamentos e as práticas do meio religioso ao qual pertenciam. Era um cristianismo herdado, transmitido como tradição familiar e social. Na cristandade medieval, os Sacramentos da iniciação eram celebradas sem muita relação entre eles. A fé encontrava expressão das devoções aos santos, nas peregrinações, v nas penitências. Grande importância passaram a ter as orações decoradas. A Palavra de Deus era proclamada nos sermões,  encenada ao longo das profissões e festas, e representada na pintura,  na escultura, no teatro, nos cantos e nas narrativas populares . Era uma catequese da Piedade popular.


 A Igreja, após o Concílio de Trento, elaborou um Catecismo, a ser utilizado pelos Párocos, centrada no conhecimento da doutrina da fé, na instrução moral, na celebração dos sacramentos e nas orações cristãs. Esta estrutura deu origem a um processo, no qual o Catecismo passou a ser a referência oficial de transmissão da fé. Este foi o modelo de caráter mais doutrinal. Uma parte da população continuou alimentar sua fé,  por meio da piedade popular.

Além da Palavra e da fração do pão, de que outras maneiras o Senhor se revela hoje?





Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Catecom - Catequese Diocese de Guanhães | Suporte: Blogger