1 de outubro de 2013

Outubro é o mês das Missões - Igreja em permanente estado de missão



A Conferência de Aparecida nos convocou a ser uma Igreja toda missionária e em estado permanente de missão: “ai de mim se não evangelizar!” (1 Cor 9,16). A Igreja nasce da missão e existe para a missão. Existe para os outros e precisa ir a todos. No processo de evangelização, o testemunho é condição para o anúncio. A própria comunidade cristã precisa ser ela mesma anúncio, pois o mensageiro é também Mensagem. Os mensageiros de Jesus Cristo são, antes de tudo, testemunhas daquilo que viram, encontraram e experimentaram. Este fato implica irradiar a presença de Deus, de Jesus Cristo, Deus-Conosco, e, na força do Espírito Santo, proclamar com a palavra e com a vida que Cristo está vivo entre nós. Vendo a comunidade cristã reunida no amor e em oração, as pessoas de hoje exclamarão, como o visitante de quem fala Paulo aos Coríntios: “Verdadeiramente, Deus está entre vós!” (1 Cor 14,25). A experiência de fé faz transbordar o anúncio para além da comunidade cristã, para cada um dos ambientes onde os mensageiros são enviados a se fazer presentes como Jesus, cheio de graça e de verdade.
Homens e mulheres do nosso tempo apreciam, principalmente, o testemunho. Mas isso não dispensa a comunidade – como não dispensa cada cristão - de prestar o serviço da proclamação ou do anúncio explícito, oferecendo às pessoas, grupos e a todo o gênero humano a pregação do Evangelho, nas variadas modalidades que o ministério da Palavra pode assumir.
Cabe a cada comunidade eclesial perguntar quais são os grupos humanos ou as categorias sociais que merecem atenção especial e lhes dar prioridade no trabalho de evangelização. Entre esses grupos estão os que têm pouco vínculo com a Igreja. Às vezes são jovens; outras vezes, pessoas vivendo na periferia de nossas cidades, intelectuais, artistas, políticos, formadores de opinião, trabalhadores com grande mobilidade, nômades etc. Importa ir ao encontro deles, não apenas nas famílias e nas residências, mas também em todos os ambientes. As missões populares, indo ao encontro do apelo da Missão Continental, têm se mostrado um caminho eficaz. As visitas sistemáticas nos locais de trabalho, nas moradias de estudantes, nas favelas e nos cortiços, nos alojamentos de trabalhadores, nas instituições de saúde, nos assentamentos, nas prisões, nos albergues e junto aos moradores de rua, entre outros, são testemunho de uma Igreja samaritana. A pastoral da visitação pode dar maior organicidade e eficácia a este serviço.
Contradiz profundamente a dinâmica do Reino de Deus e de uma Igreja em estado permanente de missão, a existência de comunidades cristãs fechadas em torno de si mesmas, sem relacionamento com a sociedade em geral, com as culturas, com os demais irmãos que também creem em Jesus Cristo e com as outras religiões. Inclusive eventos esportivos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas que o Brasil vai sediar nos próximos anos, podem ser momentos de evangelização, especialmente da juventude.

Texto extraído das DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL: 2011 – 2015
Em breve daremos continuidade neste tema.

Roberto Magno
Comunidade Nossa Senhora de Nazaré

Joanésia-MG

0 comentários:

Postar um comentário

 
Design WordPress | Desenvolvido por JAM - José Miranda | CATECOM