14 de novembro de 2013

"..Ora, o que a catequese pretende: ensinar umas historinhas da carochinha ou formar o cristão de amanhã? O que nós queremos: envernizar a vida das crianças com devoções populares baseadas em anjos da guarda ou ajudá-las a construir uma espiritualidade sólida e forte? Será que, quando essa criança crescer, a oração do anjo da guarda será suficiente para aliviar sua dor na hora da crise? Será que mandar um beijo para a mamãe do céu será o bastante para afagar seu espírito abatido na hora do sofrimento? Parece que não!"








"... A fé infantil e infantilizante que temos dado às nossas crianças sucumbe no primeiro vendaval de emoções da adolescência, ela tem se desfeito mesmo antes do ataque da racionalidade que vem por ocasião da juventude. Tanto é que normalmente essas crianças nem têm chegado à crisma (por volta dos 15 anos); despedem-se da Igreja na primeira e última comunhão.

Pensando nisso, entendemos que é preciso desde cedo dar às crianças uma experiência de fé confiável, na dose da criança é claro, mas uma experiência de fé autêntica e forte que a acompanhe pela vida e com ela amadureça cada dia. Então, em vez de ensinar orações devocionais, devemos ensinar de fato a rezar, a entrar em comunhão com Deus. Em vez de transformar Jesus em um amiguinho, melhor proporcionar uma experiência de seguimento de Jesus de Nazaré. Em vez de minimizar a dor do Calvário, melhor refletir sobre as maldades humanas. Em vez de transformar Deus em um papai do céu, que vive brincando com anjos na eternidade, melhor mostrar que ele é o pai de Jesus Cristo e nosso pai. Certamente que não vamos transformar Deus em um juiz implacável que fica anotando pecados lá no céu, com o intuito de vingá-los na hora do juízo. Mas daí a descaracterizar Deus, transformando-o no “amigo lá de cima”, num velhinho tipo papai noel ou numa energia cósmica, já parece demais. Em vez de ensinar que o Espírito Santo é uma pomba, parece mais inteligente mostrar que ele é Deus conosco. E assim vai. A catequese para crianças não pode e não deve ser uma catequese infantil, mas adulta, madura, como deve ser toda expressão de fé. Amenizar os mistérios da fé ou colocar tudo no diminutivo não resolve o problema catequético. Só nos cria mais um problema com consequências funestas para o futuro. ..."

Solange Maria do Carmo
Professora de Sagrada Escritura e Catequética na PUC-Minas
01.11.2013

                                                              Leia o texto completo em

Metodologiahttps://www.facebook.com/pages/Catequese-Hoje/307247406023510





1 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom!

Postar um comentário

 
Design WordPress | Desenvolvido por JAM - José Miranda | CATECOM